Ultra…seca

Ultra…seca

São vários os motivos que me levam a participar numa prova – o almoço retemperador do esforço despendido, a possibilidade de conhecer novos locais, o convívio e o desafio (vir em último lugar não é coincidência).

Para me convencerem a inscrever nos 57 km do Trail Costa Vicentina, os meus companheiros na equipa Pro Runners não abdicaram de nenhum desses argumentos e, apesar de conhecer bem a zona, na verdade, nunca tinha corrido entre Santiago do Cacém e Porto Covo. Acrescentaram ainda que era a prova ideal para voltar às distâncias ultra (essa palavra que me assombra nas noites anteriores às partidas) e, a muito custo, lá aceitei participar.

O capitão da equipa tudo fez para que chegássemos à prova descansados: reservou um apartamento junto ao mar (sim, no parque de campismo e então?) e decidiu jantar numa pizzaria ao lado de onde decorria um concerto do António Zambujo (o melhor dos soporíferos). Esqueceu-se foi de desligar os “motores” e o som dos “arranques ressonados” durou boa parte da noite.

Foi então com aquele misto de sono e a pensar o que estava ali a fazer que entrei no autocarro que nos levou à partida e onde ouvi proezas dignas de campeões olímpicos! Há mesmo quem se tenha em boa conta…

Cumprimentos e fotografias despachados, café no bucho e géis açambarcados da mesa da organização e lá me faço aos trilhos.

Durante arrastadas sete horas, coloquei a conversa em dia, troquei algumas larachas e escrevi três textos mentalmente, afinal de contas, em tamanha distância, percorrida sobre um piso sem qualquer dificuldade e com um desnível positivo de cerca de mil metros, a única técnica posta à prova foi a do “não adormecer”!

Para a chegada, estava reservada a cerveja fresca e uma bifana – a parte do almoço necessita urgentemente de ser revista, pois nem a um almoço de cefalópedes tive direito!

Enquanto escutava promessas de melhoria de tempos e de uma maior dedicação aos treinos, só pensava que tão cedo não me meto numa destas!

E isso é tão certinho como o ALUT se iniciar dia 25 de novembro!…nunca mais aprendo!