O que raio estou a fazer?
ProRunners

O que raio estou a fazer?

Esta foi a questão que mais vezes coloquei durante os treinos desta semana. O menu incluiu séries, burpees, rampas, palhaços,...
Read More
Por uma boa causa – Wings For Life
Breves

Por uma boa causa – Wings For Life

As meninas e os meninos podem finalmente voltar a sentir aquele nervoso miudinho, as dores de barriga e o terror...
Read More
“O Gajo” na PRORUNNERS
Como foi

“O Gajo” na PRORUNNERS

Tantos anos a correr e é a primeira vez que verdadeiramente treino! Isto cansa... daqui a uns dias virá a...
Read More
“1984”: Controlas a tua corrida?
Como foi

“1984”: Controlas a tua corrida?

Na linha da literatura distópica apresentada na crónica anterior, é outra obra de George Orwell que me inspira hoje a...
Read More
A (não) saudação entre atletas
Como foi

A (não) saudação entre atletas

O desabafo que se segue nada tem que ver com aqueles cumprimentos cheios de trejeitos e maneirismos entre os machos...
Read More
Efeméride Épica
Como foi

Efeméride Épica

Faz hoje, dia 3 de fevereiro de 2021, precisamente um mês desde que foi batida a mítica barreira que há...
Read More
1 2 3 4
Falemos (a) sério
Nino Raleiras

Quando lia uma crónica, um artigo, um texto sobre uma prova de trail em que tivesse participado, não conseguia encontrar muito daquilo que tinha vivido ao longo de várias horas. Os irreais objetivos revelados antes da partida, as bocas iniciais, os palavrões constantes, as conversas dos abastecimentos, o sofrimento causado pelas bolhas, pelos cortes, as dores que ficam das quedas dadas, não eram referidos, deixando aquela sensação de não termos corrido nos mesmos trilhos. Foi assim que, em 2016, nasceu “o gajo que não gosta de correr”, primeiro num blogue em nome próprio e, posteriormente, nas páginas da RUNning Magazine, o que me permitiu chegar a muitos mais atletas e onde, ainda hoje, com muito gosto, permaneço. E o gajo somos todos nós que sonhamos com a cerveja à chegada, que nos gabamos antes de correr, que exageramos nas dificuldades quando contamos a prova a quem não a correu, que rogamos pragas ao calor e maldizemos o frio, que trememos com a água gelada que muitas vezes temos de atravessar, mas, no final, inchamos o peito e orgulhosamente afirmamos que aquilo é só para os fortes. É chegada a altura de um novo desafio! Para esta nova “casa” venho acompanhado de quem me é mais próximo, com as suas histórias prontas a serem partilhadas sem receio ou vergonha, porque o gajo também tem muito deles, da quase rookie que me acompanha em todos os momentos, do veterano que me meteu o “bicho” do trail, do comparsa de treinos e de quem nunca irá correr mas arruma o espaço. E como a porta está sempre aberta, tenho a esperança que outros se venham juntar. 

Sai uma rodada para todos!