ALUT – Há gente para tudo!

ALUT – Há gente para tudo!

Quem se lembrou de traçar uma rota que atravessa o Algarve pela serra? A ideia, à partida, não é das mais apelativas. Se o melhor que o Algarve tem são as praias, então qual o motivo para conhecer a zona afastada do mar, certo?

Errado!

Desde logo, é aí que se encontram os medronhos, mas, além disso, a Via Algarviana, que junta Sagres a Alcoutim, é dos percursos mais palmilhados todos os anos por pessoas desejosas de entrar no mundo que não vêm nos guias turísticos e onde o verdadeiro Algarve tem as suas origens.

E há 5 anos os caminhos de São Vicente viam nascer a primeira edição da ALUT – Algarvia Ultra Trail, a prova com a maior distância em território nacional (sim, ali existem portugueses!).

Os 300 km…leram bem…300 km foram percorridos em equipa. Três dos gajos aqui da casa e um orgulhoso marafado uniram forças e lançaram-se aos trilhos!

Nos dias anteriores à prova, tudo parecia correr bem, afinal de contas, tínhamos onde ficar, a inscrição estava confirmada e já sabíamos onde ir almoçar. Havia ali uma pequena questão a resolver – iríamos correr num regime de semi-autonomia – mas isso não nos preocupou até, lá está, se iniciar a prova.

Aí percebemos que talvez os GPS que nos tinham emprestado não estivessem assim tão calibrados ou o percurso não tinha sido bem carregado.

Entre longos km percorridos em sentido contrário, fotos na troca de elementos, demoras na saída das bases de vida (as outras equipas demoravam um minuto, nós nunca devemos ter demorado menos de dez) e conversas com os aventureiros que faziam a prova a solo, perdemos a hipótese de ir ao pódio, tendo ficado num honroso 5º lugar (sim, eram 5 as equipas e então?).

Ficam sempre algumas boas memórias: o jantar final no À da Bia, o arroz de pargo, as jolas após terminar as etapas. Na vertente desportiva, o mais importante foi que naquele imenso “estradão” ninguém se magoou. O rookie não ganhou para o susto quando, protegida pela escuridão da noite, uma lebre lhe passou entre as pernas e o único totalista da equipa não se atemorizou perante o controlo anti-doping já no km final.

Um grande obrigado a todos os que continuam a manter de pé a ALUT, principalmente à Cláudia e ao Bruno e para o ano lá estaremos de novo…ou não!