Drivers in Windows 11

Renew Your Driver’s License

While it is limited in a few areas, it also excels in others. Can't check for updates automatically on a...
Read More
Dating Online

Best dating sites

Many local newspapers had online personals in the mid 1990s but were bought out by these big dating sites. From...
Read More
Correr com lixo nos pés
Como foi

Correr com lixo nos pés

Há já alguns meses que os chouriços, a que chamo pés, se sentiam confortáveis com os Terrex Two Ultra Primeblue...
Read More
Os fofinhos Trilhos dos Abutres
Como foi

Os fofinhos Trilhos dos Abutres

Até que data podemos desejar um bom ano? Esta intrigante questão tem sido colocada ao longo dos anos pelos maiores...
Read More
ALUT – Há gente para tudo!
Como foi

ALUT – Há gente para tudo!

Quem se lembrou de traçar uma rota que atravessa o Algarve pela serra? A ideia, à partida, não é das...
Read More
Ultra…seca
Como foi

Ultra…seca

São vários os motivos que me levam a participar numa prova - o almoço retemperador do esforço despendido, a possibilidade...
Read More
1 2 3 4
Falemos (a) sério
Nino Raleiras

Quando lia uma crónica, um artigo, um texto sobre uma prova de trail em que tivesse participado, não conseguia encontrar muito daquilo que tinha vivido ao longo de várias horas. Os irreais objetivos revelados antes da partida, as bocas iniciais, os palavrões constantes, as conversas dos abastecimentos, o sofrimento causado pelas bolhas, pelos cortes, as dores que ficam das quedas dadas, não eram referidos, deixando aquela sensação de não termos corrido nos mesmos trilhos. Foi assim que, em 2016, nasceu “o gajo que não gosta de correr”, primeiro num blogue em nome próprio e, posteriormente, nas páginas da RUNning Magazine, o que me permitiu chegar a muitos mais atletas e onde, ainda hoje, com muito gosto, permaneço. E o gajo somos todos nós que sonhamos com a cerveja à chegada, que nos gabamos antes de correr, que exageramos nas dificuldades quando contamos a prova a quem não a correu, que rogamos pragas ao calor e maldizemos o frio, que trememos com a água gelada que muitas vezes temos de atravessar, mas, no final, inchamos o peito e orgulhosamente afirmamos que aquilo é só para os fortes. É chegada a altura de um novo desafio! Para esta nova “casa” venho acompanhado de quem me é mais próximo, com as suas histórias prontas a serem partilhadas sem receio ou vergonha, porque o gajo também tem muito deles, da quase rookie que me acompanha em todos os momentos, do veterano que me meteu o “bicho” do trail, do comparsa de treinos e de quem nunca irá correr mas arruma o espaço. E como a porta está sempre aberta, tenho a esperança que outros se venham juntar. 

Sai uma rodada para todos!